Blog

Empresa vai transformar lixo do Carnaval de rua em lixeiras

Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo, Salvador e Recife receberam a ação da Ambev.

Cerca de 74 toneladas de lixo foram recolhidos neste carnaval.
Cerca de 74 toneladas de lixo foram recolhidas neste carnaval. | Foto: Reprodução Internet

 

Você se lembra? Já falamos aqui no blog sobre a Ambev estar estudando formas de acabar com os efeitos poluentes do plástico presentes nos produtos da marca. Atualmente, 18% da produção da empresa envolvem plástico, como os recipientes dos refrigerantes e água gaseificada. Além de banir todo o plástico até 2025, outra meta da empresa é ter 100% de seus produtos em embalagens retornáveis ou recicláveis dentro desse prazo.

Dados do Fundo Mundial para a Natureza (WWF) mostram que o Brasil produz mais de 11,3 milhões de toneladas de lixo plástico por ano, sendo o quarto maior produtor mundial desse resíduo. Estados Unidos, China e Índia aparecem nas primeiras posições do ranking negativo.

E no mês do Carnaval, a Ambev – uma das maiores patrocinadoras do evento – aproveitou o período para recolher o lixo dos blocos de rua do Rio de Janeiro. Para isso, a empresa firmou uma parceria com a ANCAT (Associação Nacional de Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis), a agência MAP, a Boomerang e a Prefeitura.

Durante os dias de festa, a companhia ajudou os foliões cariocas a terem um Carnaval mais limpo e livre do lixo espalhado pela cidade. Belo Horizonte, São Paulo, Salvador e Recife também contaram com ações durante o grande evento.

 

Como funciona?

Depois que todo o lixo for coletado, contando ainda com o período pós-Carnaval, a Ambev vai reciclar os resíduos. Tudo isso em parceria com cooperativas de catadores. Com parte dos resíduos, a empresa irá produzir lixeiras que posteriormente serão instaladas nas cidades escolhidas.

“Queremos ter um Carnaval cada vez mais sustentável e também ajudar na conscientização dos foliões. Por isso, decidimos nos unir a parceiros para fazer uma ação inédita de limpeza que vai recolher todo o tipo de material reciclável: vidro, plástico, papelão, latas, mesmo que sejam de marcas concorrentes”, afirma o vice-presidente de Sustentabilidade e Suprimentos da empresa, Rodrigo Figueiredo.

Para a mobilização na Cidade Maravilhosa, foram destacados 121 catadores e catadoras de material reciclável, que fizeram o serviço nos maiores blocos. Para isso, eles receberam uma renda fixa por dia de trabalho, além de remuneração extra pela quantidade e tipo de materiais recolhidos nos eventos.

“Nós queremos deixar um legado sustentável para a sociedade e entendemos que cada um de nós tem um papel fundamental para isso. É importante que todos os foliões lembrem que cada ação importa e que juntos podemos construir um mundo melhor”, destaca Figueiredo.

Veja também: Biólogo cria sacola feita com mandioca que se transforma em comida de peixe

 

Lixo no Carnaval

O carnaval no Rio de Janeiro chegou ao fim com um saldo de 300 toneladas de lixo recolhidas pela cidade, de acordo com a Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb). Somente no sambódromo da Marquês de Sapucaí foram recolhidas 200 toneladas nas quatro noites de desfiles das escolas de samba.

Nas ruas por onde passaram os blocos de carnaval, a companhia informou que cerca de 74 toneladas de lixo foram recolhidas. O bloco com maior volume de lixo retirado foi o Fervo da Lud, no Centro, que somou 5,5 toneladas.

A Prefeitura do Rio calcula que quase 6,4 milhões foliões aproveitaram os quatro dias de Carnaval na cidade.

 

Redação por Lohrrany Alvim

27/02/2020 – 13h57

> Voltar

© Copyright 2018 - Rádio Rio de Janeiro

Tsuru Agência Digital
Desenvolvido pela