Blog

Estudantes de Campinas desenvolvem prato biodegradável de cará que substitui o plástico

Por: Adriano Dias
21/02/2021 – 10h25
Iniciativa usa estrutura semelhante a produtos plastificados. (Foto reprodução Internet)

 

Já apresentamos neste humilde blog diversos projetos que ajudam a promover um mundo cada vez mais sustentável e o melhor de tudo é ver que essas iniciativas estão saindo das mãos dos nossos jovens, o que reforça ainda mais o compromisso desta geração com um planeta mais vivo e saudável.

Outro bom exemplo que vamos contar aqui vem de São Paulo, onde um grupo de estudantes de escola pública criou uma alternativa sustentável a partir do cará – um tubérculo – para utensílios descartáveis feitos de plástico, resistentes ao tempo de decomposição na natureza.

Projeto que nasceu após uma festa

De acordo com o site SóNotíciaBoa, as alunas Manuella Cristina Rodrigues Gonçalves e Mariana Caciatore Cardoso, de uma escola técnica de Campinas, não aceitavam a quantidade de lixo desperdiçado após uma festa com pratos, talheres e copos plásticos. A partir dessa “revolta” e após algumas pesquisas, as jovens de 17 anos desenvolveram um biopolímero a partir do amido extraído do cará-moela, espécie de tubérculo que nasce em uma planta trepadeira.

Com a pesquisa desenvolvida, as jovens chegaram a um material com textura gelatinosa e uma estrutura bem parecida com os produtos plastificados que se mostrou adequado para criar o projeto Bioutensílios. Elas explicaram que a decomposição dos produtos à base do vegetal ocorre em cerca de seis meses, enquanto o plástico pode demorar centenas de anos para desaparecer completamente do meio ambiente.

 

Projeto premiado

Em dezembro de 2020, a iniciativa foi premiada na 8ª Mostra de Ciências e Tecnologia do Instituto 3M, com o segundo lugar na categoria Ciências Exatas e da Terra. Além disso, elas também estão entre os 19 finalistas do Centro Paula Souza, o que levaram Manuella e Mariana para a 19ª edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia, que será realizada em formato virtual, entre os dias 15 e 27 de março.

Para o site, Manuella detalhou que a escolha da matéria-prima ocorreu após a análise de outros estudos que apontavam a existência de uma grande concentração de amido no cará-moela.

“Além de possibilitar um alto rendimento, a planta se reproduz com facilidade e o nosso processo de produção é bem simples, permitindo a criação de um material mais sustentável e de valor competitivo para substituir o plástico”, explica.

Ainda de acordo com a aluna, o projeto foi desenvolvido durante dois meses de pesquisas e testes sobre a viabilidade do material.

“Diante da pandemia, tivemos que nos adaptar para fazer os procedimentos laboratoriais dentro de casa. Utilizamos vinagre no lugar dos ácidos, forno convencional em vez de estufa e liquidificador em substituição ao agitador magnético. Mesmo no improviso, conseguimos chegar a um modelo eficiente de prato biodegradável”, completa.

Veja também: Cientistas brasileiros montam sistema para controlar epidemias de dengue e febre amarela

> Voltar

© Copyright 2018 - Rádio Rio de Janeiro

Tsuru Agência Digital
Desenvolvido pela