Blog

Grupo de mulheres indígenas cria sandálias 100% orgânicas e vendem via WhatsApp

A fabricação do produto é realizada dentro da floresta e não prejudica o meio ambiente.

Sandálias são criadas com látex e pintadas com terra e urucum.
Sandálias são criadas com látex e pintadas com terra e urucum. | Foto: Reprodução Internet

 

Vivemos numa época de constante evolução tecnológica. Graças a esse avanço, a humanidade conseguiu desfrutar de muitos benefícios, principalmente nas áreas: da saúde, comunicação, entretenimento e etc. Apesar dos benefícios, a produção em massa e o descarte de material tecnológico geram um impacto nocivo na natureza.

Com a constatação desses fatos, a população começou a se perguntar: “Será que tecnologia e sustentabilidade podem caminhar juntas?”. Pelo jeito a resposta é sim! Isso porque um grupo de mulheres indígenas do estado do Acre criou uma técnica para produzir sandálias 100% orgânicas. A fabricação dos produtos é feita dentro da floresta, e não prejudica o meio ambiente. Para realizar as vendas da marca Ararinha, o grupo usa a internet, o WhatsApp e os Correios.

“As mulheres produzem os calçados e os homens colhem o látex – com o cuidado de deixar descansar as seringueiras após três tiragens. 15 indígenas trabalham na produção. Dois homens na retirada do látex e 13 mulheres na produção”, declarou a designer dos calçados Ararinha, Daosha Vaxā Shawā (Pássaro Alegre).

 

Fabricação

O processo é simples: os produtos são fabricados com látex e depois pintados com terra e urucum solado com pó de madeira. Logo após esse processo, eles são bordados com linha de palha de buriti. Daosha garante ainda que os calcados da tribo são resistentes e confortáveis e que, segundo ela, o segredo está no uso dos materiais.

“São extremamente mais confortáveis que os do mercado, porque a borracha “calça os pés”, ela se molda, não aperta e é extremamente leve. Eles parecem moldados diretamente nos pés, de tão bem ajustados… São de alta resistência, mais do que os calcados comuns, porque não descolam e não desbotam em contato com água”, afirmou a designer.

Veja também: Biólogo cria sacola feita com mandioca que se transforma em comida de peixe

 

Surgimento da ideia

Daosha tem 52 anos e conta que a criação dos calçados sustentáveis começou há três anos, mas a ideia de comercializar os produtos surgiu recentemente.

“Após mulheres indígenas receberem uma capacitação de como transformar o látex em folha de borracha, (FSA), senti a necessidade de criar calçados com esse material, fazendo uma experiência que deu certo, e juntamente com meu companheiro Txada Shawã e mais duas lideranças da aldeia Shawã Nãba , Yuvanã Shawã e kumawã Shawā, decidimos dar continuidade, aperfeiçoando cada vez mais os calcados”, relata.

 

Marca no mercado

De acordo com Daosha, a venda começou recentemente. A produção ainda é bem pequena, de 40 sandálias por mês, mas a tendência é aumentar gradativamente conforme os pedidos. Ela ainda destacou que, em breve, a produção vai se estender aos indígenas da mesma etnia da aldeia Novo Acordo, que fica próxima.

O par dos calçados custa R$ 150,00, tanto para moda masculina quanto feminina. E se você ficou interessado e quer adquirir as sandálias da marca Ararinha, é só mandar uma  mensagem para o  número de WhatsApp  (11) 99910-7214.

 

Veja também: Água em caixinha sustentável criada por Will Smith chega ao Brasil

 

Redação por Fernando Ferreira

09/02/2020 – 18h46

> Voltar

© Copyright 2018 - Rádio Rio de Janeiro

Tsuru Agência Digital
Desenvolvido pela