Blog

Projeto oferece oportunidades para moradores de rua nos Estados Unidos

A iniciativa já ajudou 3 ex-moradores a recuperar a dignidade.
A iniciativa já ajudou 3 ex-moradores a recuperar a dignidade | Foto: Reprodução Internet

 

O Vale do Silício é um local internacionalmente conhecido por abrigar as maiores empresas de comunicação e tecnologia do mundo. Apple, Facebook e Google são algumas das empresas mais conhecidas.

Apesar de ser a terra dos sonhos para muitos jovens, o local também é conhecido por ter os mais altos índices de falta de moradia dos Estados Unidos. Isso ocorreu devido a demolição do maior abrigo para sem-tetos da baía em 2018. As autoridades locais criaram algumas iniciativas para prestar ajuda aos desabrigados, mas o esforço do governo ainda não era o suficiente.

 

Uma ponta de esperança

Diante dessa situação conturbada, uma organização que há uma década ajudava moradores de rua em San Jose, fundou a cafeteria Kartma. A empresa tem como principal objetivo fornecer oportunidades de emprego para pessoas sem moradia.

Segundo Rob Sanchez, gerente de projeto da Kartma, um dos fatores principais para o sucesso da iniciativa é a garantia de um salário. O espaço paga US$ 15 por hora, com cada funcionário trabalhando em uma média de 30 e 35 horas por semana.

Richard Hess, um dos funcionários que trabalha atualmente na cafeteria, era um sem-teto. Mas após a cafeteira Kartma sair do papel e ganhar as ruas, Hess se tornou um voluntário do local. Após um tempo adquirindo mais experiência na área, já que trabalhou na indústria do café por 20 anos antes de se tornar sem-teto, ele passou a ser um empregado. Para se candidatar a um cargo na Kartma, Hess passou por um processo de entrevista, assim como os outros funcionários, que também vieram de situação de rua.

Veja também: Morador de rua cria local para “compartilhar a paz” em São Paulo

 

Desemprego pelo mundo

Os americanos estão vivendo uma realidade completamente diferente dos brasileiros quando o assunto é mercado de trabalho. O desemprego nos Estados Unidos permaneceu no menor patamar histórico, de 3,5%, em dezembro do ano passado. E de acordo com esses dados, quase todos que querem e pode trabalhar estão empregados. Por aqui no Brasil, a situação é oposta.

O país deve manter uma taxa elevada de desemprego nos próximos anos, com uma pequena redução. Segundo o último levantamento da Organização Internacional do Trabalho, o ano de 2019 terminou com uma taxa de desemprego de 12,1%. Para este ano, a taxa cai para 12% e, em 2021, ela será ainda de 11,8%. Em 2022, o índice vai permanecer alto, em 11,6%. Já nos anos de 2023 e 2024, a taxa esperada é de 11,5% de desemprego. Mesmo com a leve redução em comparação a 2019, o índice continuará alto no Brasil.

 

Redação por Fernando Ferreira

02/02/2020 – 17h29

> Voltar

© Copyright 2018 - Rádio Rio de Janeiro

Tsuru Agência Digital
Desenvolvido pela