Blog

União Europeia aprova legislação que bane produtos plásticos descartáveis

A legislação deve entrar em vigor em toda a União Europeia em 2021.


A expectativa é que as emissões de dióxido de carbono reduza em 3,4 milhões de toneladas | Foto meramente ilustrativa.

Cada vez mais países demostram estar preocupados com o bem estra do nosso planeta. Isso porque o Parlamento Europeu aprovou uma legislação para banir de toda a União Europeia diversos produtos plásticos descartáveis. Dentre eles destacam-se cotonetes, canudos, copos, pratos e talheres. No entanto, a legislação só vai entrar em vigor daqui a dois anos.

O texto foi bem visto pelos eurodeputados, já que 560 votos foram favoráveis, 35 contrários e 28 se abstiveram. A lei proíbe o uso de plásticos descartáveis aos quais existem alternativas feitas de outros materiais no mercado. Assim, o consumo em nível nacional do material vai reduzir.

Entre os produtos banidos estão os chamados plásticos oxidegradáveis, que ao se degradar se dividem em pequenas partículas. Essas pequenas partículas são responsáveis por grande parte das mortes de animais marinhos.

Incentivo a reciclagem

A proposta aprovada pelo parlamento europeu também estabelece o objetivo de reciclar 90% das garrafas de plástico até 2029. Ficou estabelecido ainda que até 2025, a composição dela contenha 25% de material reciclado e 30% até 2030.

O texto ainda visa forçar os produtores de certos produtos a arcarem com os custos de limpeza, coleta e reciclagem desses artigos. A medida deve atingir principalmente a indústria do tabaco, pois muitas pessoas tem o hábito de jogar suas bitucas no chão.

Veja também: Ação social na Rocinha transforma lixo em arte e cultura

Os impactos na vida marinha

Os plásticos representam um grande problema aos oceanos devido a sua lenta decomposição. Segundo a Comissão Europeia, os produtos incluídos na proposta representam mais de 70% do lixo marinho. Infelizmente esses resíduos são encontrados dentro de diversas espécies, como tartarugas, baleias e aves. Sem contar que esse lixo, às vezes, é encontrado em frutos do mar destinados ao consumo humano.

A Comissão Europeia revelou um dado alarmante do Fórum Econômico Mundial de Davos que diz que corremos o risco de ter mais plásticos do que peixes nos oceanos até 2050, se nada fosse feito para combater a poluição.

 A natureza agradece

Com essa decisão da Comissão Europeia, a expectativa é que as emissões de dióxido de carbono vão reduzir em 3,4 milhões de toneladas. Até 2030 danos ambientais no valor de 22 bilhões de euros podem ser evitados. Com isso os consumidores poderiam economizar até 6,5 bilhões de euros. O vice-presidente da Comissão Europeia Frans Timmermans, disse que o bloco europeu deu um passo importante para reduzir o lixo e a poluição por plástico.

Veja também: Conheça o primeiro cinema do Brasil que funciona apenas com energia solar. 

A cidade maravilhosa contra o plástico

Após a prefeitura do Rio de Janeiro banir os canudos plástico, em julho de 2018, agora foi a vez do governo estadual dar uma passo para a sustentabilidade. Passa a valer hoje (26) a lei que proíbe os supermercados a oferecerem sacolas de plástico para seus clientes transportarem mercadorias.

Veja também: Conheça 6 alternativas para abandonar de vez o uso dos canudos plásticos

Cerca de 1,5 mil estabelecimentos vão ser afetados com a legislação. A Associação de Supermercados do Rio (Asserj) informou que as duas primeiras sacolas serão ofertadas gratuitamente por seis meses aos clientes que forem fazer compras. A norma orienta que se o consumidor quiser mais sacolas pagará o valor de custo delas que são até R$ 0,08.

A ideia final é que apenas o modelo de sacolas do tipo reciclável fique à disposição dos consumidores. Essa sacola definitiva vai ser vendida pelos mercados, e pode ser usada várias vezes e não polui o meio ambiente. O supermercado que descumprir a nova regra está sujeito a uma multa de até R$ 34 mil.

Redação por Jhade Marinho

27/06/2019 – 11h00

> Voltar

© Copyright 2018 - Rádio Rio de Janeiro

Tsuru Agência Digital
Desenvolvido pela